A professora que eu não quero ser

abril 24, 2014

 Tenho uma professora na faculdade este semestre que me faz pensar em tudo aquilo que não quero ser quando for eu a professora.
 Todas as aulas chega atrasada, fala mal connosco, as aulas têm 2 horas e ela nunca dá mais de hora e meia. Esquece-se regularmente do material, sai sempre a meio para ir tirar as fotocópias do que nos vai mandar fazer na aula. 
 Na primeira aula disse que os telemóveis eram expressamente proibidos, e que se apanhasse alguém, convidava a pessoa a sair, no entanto, em todas as aulas atende o telemóvel, muitas vezes dentro da sala, tem-no com som, e vai recebendo e enviando mensagens. Inclusive pára de corrigir exercícios para atender ou responder a mensagens.
 Hoje já nós estávamos a ir embora, passados quase 25 minutos de espera, apareceu ela, e disse que foi ao cabeleireiro e por isso é que estava tão atrasada. Depois, mesmo com o atraso, não acabámos a aula às 16h, mas sim às 15h30. Ou seja, uma hora de aula. 
 Isto é tudo aquilo que eu não quero ser. Se eu me esquecer, vão me lembrando disto...

6 comentários :

  1. Como te entendo lol. Quando entrei para a Universidade ( de Coimbra) fui com a ilusão que os professores seriam exemplares e aprenderia imenso. Ainda mais sendo Coimbra.... No entanto o ensino superior fui uma verdadeira DECEPÇÂO. Professores que não valiam nada a nível pedagógico, disciplinas em que não se aprendia nada e que no futuro menos utilidade teriam ainda, etc. Sem falar no copianço, muitas vezes na frente dos professores que nem se importavam e faziam- se despercebidos.... Uma vez confrontei um professor relativamente a estes casos e a resposta dele foi simplesmente : " sou pago para ser professor e não policia"... Enfim é o país que temos...

    ResponderEliminar
  2. Opah que tristeza.. pensei eu que isto fosse só em poucos sitios, já vi que é em setúbal, em lisboa e nos sitios todos, que horror!

    ResponderEliminar
  3. É o exemplo vivo de que há por aí muita gentinha a ganhar bom dinheiro e a não fazer nenhum.
    Não há maneira de fazerem queixa da senhora? É que ameaçar alunos e depois fazer a figura, não é correcto, além de que chegar sempre atrasada e não dar o número de horas para que é paga, é como andar a roubar a faculdade (ou seja, os alunos que pagam as propinas).

    ResponderEliminar
  4. São exemplos como esse que me fazem sentir ainda mais frustrada. Também eu estudo para ser professora, estou no 1º ano de mestrado e sei que assim que o acabar o futuro não vai ser risonho, mas não tenciono desistir porque adoro isto e quero ser um exemplo para os meus alunos, no entanto, graças à situação em que vivemos talvez nem venha a exercer, enquanto professores assim estão bem colocados, a receber bons salários, e são os primeiros a queixarem-se das avaliações aos professores, porque muitos deles em casos de avaliações sérias já estariam fora do serviço há muito tempo!

    ResponderEliminar
  5. É muitos triste mesmo. Deve ser alguém mais ou menos com a minha idade (34 anos), e tenta fazer de vocês imbecis. Belo exemplo, realmente.

    ResponderEliminar
  6. Tive dois casos semelhantes: uma em que num projeto importantíssimo que iria determinar se passávamos à cadeira ou não, não nos deu material praticamente nenhum para construirmos e fazer gestão de uma instituição social e não ia às aulas, nem conseguíamos falar com ela (o que significou que muita gente chumbou) e outra que era minha orientadora de estágio que devia marcar reuniões connosco pelo menos mensalmente, posso dizer que a vi 2 vezes, na apresentação e na entrega do trabalho, a desculpa dela: tenho muita gente para orientar, é difícil coordenar tudo. Se é difícil então não se tinha proposto a orientar tantos alunos - -"

    ResponderEliminar